sambafoot

Publicidade

Desfecho para guerra na Ucrânia pode estar longe, avalia especialista

Próximos caminhos para Rússia se resumem em novas negociações ou expansão generalizada do conflito

Desfecho para guerra na Ucrânia pode estar longe, avalia especialista
Publicidade

Pouco tempo após a Rússia diminuir o número de ataques à Ucrânia, as forças militares voltaram a intensificar os combates, mirando, sobretudo, áreas residenciais no leste do país. Tais ações são consideradas como crimes de guerra pela comunidade internacional e já estão sendo investigadas por membros da Anistia Internacional, União Europeia (UE) e do Tribunal Penal Internacional. Os assíduos conflitos, no entanto, ainda estão longe de um desfecho quando o assunto se volta para as negociações entre os países.

+ Leia as últimas notícias no portal sambafoot

Segundo análise de Angelo Segrillo, professor e especialista em história da Rússia e União Soviética, a Ucrânia é um interesse estratégico por parte de Moscou, enquanto a luta para o governo ucraniano baseia-se em uma guerra existencial, cujo objetivo é garantir a soberania e sobrevivência do país. Além disso, o apoio de nações ocidentais contribui significativamente para a duração do conflito, seja por meio do envio de suprimentos e armamentos ao exército ucraniano ou pela implementação de sanções contra o Kremlin.

"As sanções vêm mostrando grande impacto. Isso porque a economia da Rússia está sendo isolada pelas nações ocidentais mais avançadas, o que, a curto prazo, foi adaptado pela formação de uma economia de guerra, intervenção do Estado e confisco cambial. Situação essa que pode levar Moscou a problemas sérios a longo prazo", diz Segrillo. Para ele, é difícil prever o tempo de duração da guerra, mas o cenário atual aponta para um conflito militar de desgaste com mais tempo, que será sentido por todas as partes: Ucrânia, Rússia e Ocidente. 

Contudo, as consequências da ofensiva já estão causando um impacto global, principalmente na oferta e no preço de commodities importantes. Com as exportações ucranianas bloqueadas pela Rússia no Mar Negro, países africanos, por exemplo, estão enfrentando o início da escassez de alimentos, intensificando o nível de insegurança alimentar local. De acordo com levantamentos da Organização das Nações Unidas (ONU), o valor cobrado pelo trigo cresceu 56,2% em apenas um ano.

Tal situação vem sendo alvo constante de críticas por líderes da comunidade internacional. O último a se pronunciar sobre o assunto foi o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg, que responsabilizou Moscou pela atual crise alimentar mundial. Durante declaração na 5ª feira (30.jun), o diplomata reforçou que somente o fim da guerra na Ucrânia pode impedir o aumento da fome entre as populações, mas insistiu que a decisão está nas mãos do presidente russo, Vladimir Putin.

Neste contexto, Segrillo afirma que enxerga dois caminhos que podem ser seguidos pelo Kremlin. O primeiro seria a volta das negociações de cessar-fogo com o governo ucraniano -- congeladas desde março --, fazendo com que a Rússia volte pouco a pouco ao jogo internacional. "Isso pode levar a um acordo que não vai ser 100% para todo mundo, mas necessário", avalia o professor. A outra alternativa, por sua vez, seria um acirramento das contradições entre Moscou e o Ocidente, resultando em uma guerra mais generalizada e acelerando o isolamento do país.

+ Ataque na região de Odessa, na Ucrânia, deixa pelo menos 19 mortos

+ Ucrânia começa a exportar energia elétrica para União Europeia

No caso da segunda opção, Segrillo reforça que o papel da China seria fundamental, uma vez que o país tem interesse em manter relações com a Rússia por questões geopolíticas. O cenário, no entanto, é contraditório, já que o mercado chinês se tornou a segunda maior economia do mundo porque manteve relações estratégicas importantes com as nações ocidentais. Por isso, até o momento, a China aderiu uma posição neutra em relação à guerra, dizendo apenas que está do "lado certo" do conflito.

Armas nucleares

Além da expansão do conflito militar na Ucrânia, os governos mundiais estão preocupados com a possível utilização de armas nucleares por parte do exército russo. O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, subiu o tom nas afirmações e declarou que, claramente, a Rússia está considerando o uso de armas químicas e biológicas no território ucraniano. A declaração ocorreu com a intensificação das grandes sanções econômicas aplicadas contra Moscou, que já englobam mais de US$ 300 bilhões em ativos bloqueados.

Nesta semana, Putin disse estar aberto para o diálogo sobre a não proliferação de armas nucleares. Em discurso na cidade de São Petersburgo, o chefe de Estado assegurou que o Kremlin quer garantir "a estabilidade estratégica" e mantém aberta a conversa para "preservar os regimes de não proliferação de armas de destruição em massa e melhorar a situação no campo do controle de armas". Apesar de ambos os presidentes defenderem a questão, ainda não houve contato direto entre os líderes.

Leia também

+ EUA e Reino Unido oferecem ajuda bilionária militar à Ucrânia

+ Papa afirma que conquistas armadas "não tem nada a ver" com Deus

+ Vídeo mostra terror em parque após míssil russo atingir shopping em Kremenchuk

Publicidade
Publicidade

Assuntos relacionados

sbt
sbtnews
portalnews
guerra-na-ucrania
desfecho
guerra
ucrania
longe
caminhos
russia
negociaçoes
expansao
conflito militar
otan
onu
ocidente
china
camila stucaluc
camila-stucaluc

Últimas notícias

Caixa libera parcela do Bolsa Família para beneficiários com NIS final 9

Caixa libera parcela do Bolsa Família para beneficiários com NIS final 9

Recurso pode ser sacado ou movimentado virtualmente; calendário também conta com Auxílio Gás
sambafoot na TV: Brasil tem mais de 900 mil casos prováveis e 195 mortes confirmadas por dengue

sambafoot na TV: Brasil tem mais de 900 mil casos prováveis e 195 mortes confirmadas por dengue

Confira o que foi notícia ao longo do dia e os assuntos que serão destaque nesta quarta-feira (28); assista!
Araras-azuis-de-lear e micos-leões-dourados traficados são repatriados

Araras-azuis-de-lear e micos-leões-dourados traficados são repatriados

Micos-leões estavam desnutridos, com sinais de intoxicação por óleo de motor, enquanto as araras aparentavam estresse; espécies são protegidas por risco de extinção
Mega-Sena acumula e chega a R$ 135 milhões; veja os números sorteados

Mega-Sena acumula e chega a R$ 135 milhões; veja os números sorteados

Quina teve 117 apostas ganhadoras, que vão receber mais de R$ 55 mil cada
José Dirceu está internado com pneumonia no Hospital Sírio-Libanês

José Dirceu está internado com pneumonia no Hospital Sírio-Libanês

Boletim médico diz que quadro é estável, mas não tem previsão de alta
"Espero que o Biden ganhe", diz Lula sobre eleições nos Estados Unidos

"Espero que o Biden ganhe", diz Lula sobre eleições nos Estados Unidos

Presidente também voltou a falar sobre guerra na Faixa de Gaza e reiterou críticas às ações de Israel
TSE fixa regras para uso de inteligência artificial nas eleições 2024

TSE fixa regras para uso de inteligência artificial nas eleições 2024

Restrições incluem “vedação absoluta” ao chamado deepfake e equipara crimes à propagação de fake news
FGTS Digital começa a funcionar nesta sexta-feira, dia 1º de março

FGTS Digital começa a funcionar nesta sexta-feira, dia 1º de março

Empregador poderá usar Pix para depositar Fundo de Garantia do trabalhador
Violência contra a mulher: Denúncias ao Ligue 180 crescem 23% em 2023

Violência contra a mulher: Denúncias ao Ligue 180 crescem 23% em 2023

Central de Atendimento à Mulher recebeu 1.558 ligações por dia no ano passado. Região Sudeste lidera com 288 mil chamadas no total
Câmara aprova urgência de projeto que amplia isenção de Imposto de Renda para até dois salários mínimos

Câmara aprova urgência de projeto que amplia isenção de Imposto de Renda para até dois salários mínimos

Proposta do governo vale para quem recebe até R$ 2,9 mil; mudança está em vigor, mas precisa do Congresso para se tornar permanente
Publicidade
Publicidade
sambafoot Mapa do sitesambafoot Mapa do site